A endoftalmite constitui uma das sérias complicações entre as infecções oftalmológicas. É rara após procedimentos cirúrgicos eletivos e mais frequente em situações pós-traumas, devido às condições de assepsia, desorganização das estruturas oculares e maior presença de agentes que infectam os olhos. O diagnóstico é determinante para se fazer um tratamento precoce e apropriado para o problema, que, em alguns casos, pode levar à perda da visão. Pode aparecer de forma aguda ou crônica e a qualquer tempo. O termo endoftalmite é ainda empregado para designar processo infeccioso, que pode ser endoftalmite exógena - causada por microorganismo de ambiente externo e que adentra nos olhos, após cirurgia ou trauma; e endoftalmite endógena - quando a infecção ocorre por via sanguínea. Causas A principal causa de inflamação dos tecidos intra-oculares é a infecção por microorganismos, como bactérias e fungos, por exemplo. Raramente ocorre depois de trauma direto (químico ou físico), por alterações imunológicas ou neoplásicas. Quando se apresentam de forma não-infecciosa podem ter outras causas, mas as bactérias representam o grupo mais comum de agentes causadores de endoftalmite. Os fatores de risco das endoftalmites envolvem pacientes com diabetes mellitus, leucemia, Aids, infecções de vias aéreas superiores (especialmente crianças) e dermatite atópica. Quando se apresentam de forma não-infecciosa podem ter outras causas, mas as bactérias representam o grupo mais comum de agentes causadores de endoftalmite. Os fatores de risco das endoftalmites envolvem pacientes com diabetes mellitus, leucemia, Aids e infecções de vias aéreas superiores (especialmente crianças), dermatite atópica. Há relatos de fatores de risco em outras três etapas: pré-operatório, intra-operatório e pós-operatório, os quais incluem inadequada desinfecção das pálpebras, cílios e conjuntiva, cirurgias prolongadas e suturas frouxas. Tratamento A conduta terapêutica para as endoftalmites tem sido relevante nos últimos anos devido às possíveis complicações graves de microcirurgias oculares. No entanto, qualquer causa de inflamação intra-ocular deve ser considerada no diagnóstico diferencial de infecção. Procedimentos como cirurgia de estrabismo também podem ser complicados por endoftalmite. Em relação ao tipo de cirurgia e o microorganismo isolado em cultura, tem-se: endoftalmite bacteriana, endoftalmite fúngica, endoftalmite pós-facectomia, endoftalmite pós-cirurgia filtrante de glaucoma, endoftalmite pós-transplante de córnea, endoftalmite crônica, endoftalmite pós-trauma entre outras. Em cada caso há necessidade de estudo e análise pormenorizada de cada paciente. Podem ser indicados usos de medicamentos específicos, como corticóides tópicos e acompanhamento clínico rigoroso.